Horário de Atendimento:

8:00h - 20:00h

  • pt-br

Telefone:

Corpos Estranhos na Cavidade Nasal

Corpos Estranhos na Cavidade Nasal

Corpos Estranhos na Cavidade Nasal. Um corpo estranho é qualquer objeto ou substância colocada no interior do corpo. Quando isto acontece no nariz, chamamos de corpo estranho na cavidade nasal. Estes acidentes são causas das mais frequentes de uma visita emergencial ao médico otorrinolaringologista, sendo muito mais comuns em crianças, jovens e pacientes psiquiátricos. Asfixia por corpos estranhos é uma das principais causas de morte em crianças de 0 a 3 anos. Aproximadamente 60% dos casos são do sexo masculino.

Continue lendo este artigo para saber mais sobre esta emergência e como proceder se isto acontecer com o seu filho.

Por que as Crianças Colocam Corpos Estranhos na Cavidade Nasal?

Durante uma brincadeira, imitando o comportamento de outra criança, ou mesmo por simples curiosidade, é comum que as crianças coloquem objetos no nariz. Isso é até natural, já que elas estão aprendendo como as coisas funcionam: inclusive em seu próprio corpo!

É possível que corpos estranhos entrem no nariz de uma criança enquanto ela está dormindo. Geralmente, isso acontece com pequenos insetos.

A palavra “corpo estranho” já significa que ele não deveria estar lá. Embora possa parecer inofensivo, existe um grande risco de asfixia e ferimentos graves. Infecções também podem ocorrer, especialmente se houver demora nos procedimentos de remoção.

O que Pode ser Introduzido “Acidentalmente” no Nariz

São diversos os materiais que podem ser colocados no nariz: isso vai depender da curiosidade do seu filho! Entre os principais casos que observamos em nossa prática clínica, estão:

  • Grãos
  • Bolinhas
  • Pedrinhas
  • Brinquedos pequenos
  • Botões
  • Pecinhas de brinquedos
  • Pequenos pedaços de alimentos
  • Bateria de relógio

É importante dar ainda maior atenção quando o objeto inserido for uma bateria. Elas podem causar ferimentos graves em poucas horas, ou mesmo vazar, causando ainda maiores complicações.

Sintomas de Corpos Estranhos na Cavidade Nasal

Quando uma criança coloca um corpo estranho no nariz, ela pode apresentar alguns sintomas:

  • Secreção nasal apenas de um lado
  • Mal cheiro na região nasal
  • Febre
  • Dificuldade para respirar

Também pode ser possível que uma criança tenha um corpo estranho no nariz e não apresentar nenhuma queixa. Nesse caso, é importante que os pais fiquem atentos para que a situação não se torne mais grave.

Como Realizamos a Remoção de Corpos Estranhos na Cavidade Nasal

A primeira recomendação é manter a calma. Se o seu filho perceber sua apreensão, pode ficar agitado e dificultar a remoção. Ao suspeitar que ele tem um corpo estranho no nariz, leve-o para a emergência médica, mesmo se você não conseguir visualizar o objeto.

É de extrema importância que pessoas não habilitadas não tentem remover o corpo estranho. Isto é uma emergência médica e seu filho deve ser levado imediatamente ao hospital. Quanto mais tempo demorar para realizar a remoção, maior a gravidade do quadro.

Além disso, ao tentar remover o corpo estranho em casa, há riscos de lesões de outras estruturas. Por exemplo, se a criança tentar assoar as duas narinas ao mesmo tempo para expelir o material, isto pode danificar os tímpanos. A remoção no hospital é feita de forma segura, por uma equipe médica altamente qualificada.

O procedimento é realizado da forma mais confortável possível para o seu filho: é aplicado um anestésico tópico dentro do nariz e, quando necessário, um medicamento que ajuda na prevenção de hemorragias. Após a remoção, pode ser necessário o uso de antibióticos, para prevenir infecções.

Referência: Stanford Children’s Health

Estenose Laringotraqueal na Criança

Cirurgia Reconstrutiva – Estenose Laringotraqueal na Criança

O Dr Philippe Monnier já há mais de 5 anos participa de cursos com a equipe de Otorrinolaringologia do Hospital São Camilo Pompeia. Este ano, será realizada no dia 30 de setembro uma aula aberta com o tema: “Estenose Laringotraqueal na Criança: conceitos atuais e desafios”. A seguir, haverá discussão de casos a serem operados.

Cirurgia Reconstrutiva – Estenose Laringotraqueal na Criança

Uma das principais causas da estenose de laringe em crianças com traqueostomia é a utilização de intubação orotraqueal nas unidades de terapia intensiva neonatais e pediátricas, durante longos períodos. Grande parte dos casos de cirurgias reconstrutivas da laringe e da traqueia, operados na técnica tradicional apresentam alguma falha.

A técnica cirúrgica desenvolvida pelo Dr. Philippe Monnier atende esses casos complexos, fornecendo novamente a qualidade de vida às crianças que teriam que conviver com a traqueostomia para o resto da vida.

Para o Dr. José Antonio Pinto, a oportunidade de operar em conjunto com o Dr. Monnier, que é uma referência na Europa e no mundo, está sendo de grande aprendizado para todos os profissionais, pois o médico suíço desenvolveu uma técnica cirúrgica própria, já que poucos médicos realizam esse tipo de cirurgia em crianças, por interferir em áreas delicadas e vitais do organismo.

A Estenose Laringotraqueal na Criança

A estenose de laringe é caracterizada por um estreitamento desta estrutura. Isso acontece em função de uma cicatriz, que pode ser parcial ou completa, congênita ou adquirida. Entre as causas adquiridas, temos os traumas internos e os traumas externos. Estes podem ser cervicais, devido a acidentes automobilísticos, por colisão com fios de pipa, agressões com objetos corto-contusos ou penetrantes e lesões por sufocação ou enforcamento.

Nos casos de estenoses causadas por trauma endolaríngeo, temos aquelas associadas com intubação prolongada. Lesões decorrentes do uso das sondas nasogástricas e queimaduras físicas ou químicas também são causas. Infecções, como tuberculose, sífilis, hanseníase, micoses profundas e difteria são raras. No entanto, doenças inflamatórias crônicas, por exemplo lúpus eritematoso sistêmico, policondrite recidivante, amiloidose e epidermólise bolhosa podem levar ao desenvolvimento de estenoses laríngeas.

Estenose Laringotraqueal na Criança – Aula Aberta com Dr Philippe Monnier

O médico suíço Dr. Philippe Monnier é maior cirurgião de vias aéreas pediátricas do mundo.

Professor Emérito de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Centro Universitário Vaudois (CHUV) de Lausanne, Suíça, o Dr. Philippe Monnier é considerado a maior autoridade mundial nas cirurgias de vias aéreas em crianças. O Professor Monnier é Presidente e Chefe do Departamento de Otorrinolaringologia, Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital Universitário Vaudois. A cada ano, ele ministra diversas palestras para o público em todo o mundo sobre o manejo da estenose subglótica em lactentes e crianças.

Nas últimas três décadas, ele trabalhou com determinação no estabelecimento da equipe de vias aéreas de Lausanne. E também na criação de uma geração de cirurgiões e funcionários dedicados e qualificados. Que podem realizar um grande número de reconstruções pediátricas e aéreas abertas e endoscópicas de adultos.

A aula aberta terá o tema: “Estenose Laringotraqueal na Criança: conceitos atuais e desafios”. Será realizada no dia 30 de setembro, às 19h, no anfiteatro do Hospital São Camilo Pompeia. (rua Tavares Bastos, 541 – Pompeia, São Paulo). A seguir, haverá discussão de casos a serem operados. Para confirmar sua presença, envie um email para [email protected]

 

Disfunções Temporamandibulares

Disfunção Temporomandibular e Distúrbios do Sono

As disfunções temporomandibulares (DTMs) são um grupo heterogêneo de condições musculoesqueléticas e neuromusculares envolvendo o complexo articular temporomandibular e a musculatura e os componentes ósseos adjacentes. A condição pode afetar de forma significativa e muito prejudicial a saúde em geral do organismo. Por isso, entender quais são as possíveis causas e as opções para diagnóstico e tratamento é fundamental para conseguir lidar com esta enfermidade corretamente.

Continue a leitura e saiba mais sobre este problema, suas causas e tratamento.

O Que são as Disfunções Temporomandibulares?

A articulação temporomandibular é a área que faz a conexão da mandíbula com o crânio: esta área pode sofrer inúmeros tipos de prejuízos durante o desenvolvimento do organismo, bem como por consequência de diversos fatores externos que irão atuar sobre ela. Uma disfunção temporomandibular é caracterizada por ser um problema que afeta o funcionamento correto das funções da mandíbula, prejudicando tanto os processos de mastigação, respiração e até mesmo fala, não sendo necessário que todos ocorram em todos os casos.

Há diversos tipos de disfunções temporomandibulares que podem ser analisados em sua ocorrência frequente na sociedade, principalmente em indivíduos adultos, que possuem uma carga de stress incrivelmente grande perante às pressões que o mundo moderno proporciona em suas vidas.

Uma disfunção temporomandibular que está entre as mais comuns, e que geralmente é tratada com menos seriedade do que deveria por seus próprios portadores, é o bruxismo.

Bruxismo: Uma Forma de Disfunções Temporomandibulares

O bruxismo é uma forma de disfunção temporomandibular que implica na realização de movimentos de pressão e cerrar dos dentes do portador de maneira involuntária, ocorrendo principalmente durante o período do sono.

O bruxismo faz com que a arcada dentária do paciente possa sofrer danos, bem como a estrutura da face, além de poder causar dores musculares e dores de cabeça devido à incrível pressão que é geralmente exercida pelas pessoas que sofrem desta disfunção temporomandibular.

O Que Causa o Bruxismo?

Há inúmeras causas para que o bruxismo ocorra, e esta é uma enfermidade que pode afetar todas as idades, raças, gêneros e etc. Isso se dá pelo fato de que, em sua maioria, a causa do bruxismo acontece por meio de stress profundo do indivíduo: seja pelo motivo que for.

A realização da pressão com a arcada dentária sobre si mesma é um ato de contração que faz com que a região da boca possa se tornar um tanto quanto rígida, causando prejuízos tanto à arcada dentária quanto à musculatura da face.

Em adultos, por exemplo, situações de extrema tensão como separações, um trabalho que é estressante e que tem um chefe rígido demais que o deixa infeliz, uma complicação com a saúde… há diversos fatores que acabam culminando no processo do indivíduo de liberar a tensão por meio de cerrar os dentes.

O bruxismo infantil é, além disso, extremamente comum: crianças podem sofrer com pressões com as quais ainda não conseguem lidar, afinal, estão também passando pelos processos de aprendizado, e não só na escola, estão passando pelo aprendizado de lidar com suas emoções.

Situações onde a criança possa se sentir pressionada, estressada, onde ela tenha algum trauma relacionado, podem ser o gatilho perfeito para que o seu organismo passe a agir de forma involuntária provocando danos por meio de uma disfunção temporomandibular.

Como Tratar o Bruxismo

O bruxismo, como uma disfunção temporomandibular que não é exatamente visível para todas as pessoas que estão ao redor do portador, precisa de um processo de diagnóstico que seja extremamente detalhado, para que, então, após estabelecer-se as prioridades, possa se dar início ao processo de tratamento.

Nas crianças, a mesma regra é válida, porém, com muito mais afinco! É extremamente crucial que os pais, familiares e cuidadores que convivem diariamente com as crianças estejam prestando atenção à todos os detalhes, fazendo com que suas atitudes possam denotar a ocorrência de alguma disfunção temporomandibular, bem como emocional ou física.

Busque Ajuda de Profissionais Especializados

Para a identificação e tratamento eficaz do bruxismo, é essencial que as pessoas busquem o auxílio de um profissional conhecido como dentista do sono. Ele é especializado em realizar a prescrição de remédios e a criação de um molde personalizado para cada pessoa para a contenção dos movimentos involuntários da mandíbula.

Esta placa precisa ser utilizada pelo paciente durante a noite, e, por meio de sua moldagem personalizada, irá se encaixar completamente na arcada dentária, fazendo com que o mesmo não consiga realizar os processos de contração dos músculos da face que certamente causarão mais malefícios à saúde e o bem estar do paciente.

Além disso, o tratamento psicológico também é crucial para que o paciente possa recuperar sua estabilidade e não sofra mais com o bruxismo, que, em sua maioria é advindo de stress e traumas, portanto, sendo completamente benéfica a realização simultânea dos dois processos de cura.

Um profissional especializado irá proporcionar tratamentos muito mais eficazes, bem como um acompanhamento psicológico irá ser de extremo auxílio para conseguir fazer com que o paciente possa entender melhor quais são as causas de sua disfunção temporomandibular e que estão sendo extravasadas de uma maneira completamente prejudicial à saúde.

Artigo Publicado em: 10 de outubro de 2017 e Atualizado em 21 de agosto de 2019

câncer de laringe

Julho Verde – Saiba Mais sobre o Câncer de Laringe

O câncer é um crescimento incontrolável de células que invadem e causam danos ao corpo. No câncer de laringe, células malignas (cancerosas) se formam na laringe. A maioria dos cânceres laríngeos ocorre nas células escamosas, que se alinham no interior da laringe. Cerca de 60% dos cânceres da laringe começam na glote, 35% na supraglote e o resto na subglote.

O câncer de laringe é um dos tipos de cânceres de cabeça e pescoço. Continue a leitura e saiba mais sobre esta patologia.

O Câncer de Laringe

A laringe, ou caixa de voz, está localizada na garganta. Ela nos ajuda a respirar, falar e engolir. As cordas vocais, que nos ajudam a falar, fazem parte da laringe.

Esta estrutura é composta principalmente de cartilagem, um tecido flexível que forma uma estrutura de apoio. Existem três partes na laringe:

  • A supraglote, ou parte superior.
  • A glote, a parte do meio. É aqui que as cordas vocais estão localizadas. As cordas vocais abrem e fecham e permitem que você respire e fale.
  • A subglote, a parte inferior.

A laringe desempenha um papel em várias funções:

  • Quando você respira, as cordas vocais se abrem para permitir a passagem do ar.
  • Quando você fala, as cordas vocais se fecham. O ar que passa pelas cordas vocais causa sua vibração, o que ajuda a criar o som da fala.
  • Quando você engole, a epiglote (que é parte da supraglote) cai sobre a laringe e as cordas vocais se fecham para manter a comida fora dos pulmões.

Uma pessoa tem um risco muito maior de desenvolver câncer de laringe se fumar ou usar outros produtos de tabaco. Beber álcool, especialmente em grandes quantidades, também pode aumentar o risco de desenvolver câncer de laringe.

Outros fatores de risco incluem:

  • Idade: O câncer de laringe ocorre mais frequentemente em pessoas com mais de 55 anos.
  • Gênero: Os homens são mais propensos a desenvolver câncer de laringe.
  • Uma história pessoal de câncer de cabeça e pescoço.
  • Ocupação: Trabalhadores que são expostos a névoa de ácido sulfúrico, pó de madeira, níquel ou a fabricação de gás mostarda têm um risco maior de câncer de laringe. Além disso, maquinistas e pessoas que trabalham com amianto estão em maior risco.

Sintomas

Alguns dos sintomas a seguir podem sugerir câncer de laringe, ou mesmo ser sintomas de outras condições:

  • dor de garganta ou tosse que não desaparece
  • mudança na voz, como rouquidão, que não melhora depois de duas semanas
  • qualquer dor ou outro problema quando você engole
  • dor de ouvido
  • caroço no pescoço ou garganta
  • disfonia (problemas na produção de sons de voz)

Os seguintes sintomas indicam a necessidade de consultar um médico imediatamente:

  • Dispneia (dificuldade para respirar)
  • Estridor (respiração alta e barulhenta)
  • Sensação de que há algo na garganta
  • Tosse com sangue

Os Estágios do Câncer de Laringe

Um sistema conhecido como estadiamento é usado para descrever até que ponto um tumor cresceu e quais partes do corpo ele invadiu (se espalhou).

Neste tipo de câncer, o estágio dependerá da parte da laringe afetada e se o câncer invadiu outras partes do corpo, como a tireoide, o esôfago, a língua, os pulmões, o fígado e os ossos.

Câncer que começa na laringe pode se espalhar para outras partes do corpo através da corrente sanguínea ou dos gânglios linfáticos. A linfa é um fluido aquoso claro ou ligeiramente amarelado que remove bactérias e certos tipos de proteínas dos tecidos. Os gânglios linfáticos são estruturas pequenas, em forma de feijão, localizadas em todo o corpo.

Tratamentos

O câncer de laringe é tratado com radioterapia, quimioterapia ou cirurgia. Às vezes, uma combinação desses métodos pode ser utilizada.

O objetivo de qualquer tratamento do câncer da laringe deve ser curar a doença, mantendo a função laríngea máxima. Embora isso pareça um conceito simples, decidir qual a melhor maneira de alcançar esse objetivo em qualquer paciente necessita de um trabalho em conjunto de equipes multidisciplinares.

Tipos de Câncer de Cabeça e Pescoço

Tipos de Câncer de Cabeça e Pescoço

Tipos de Câncer de Cabeça e Pescoço: Os tipos de câncer de cabeça e pescoço incluem cânceres da boca e da garganta, bem como alguns tipos mais raros, como o câncer dos seios da face (espaços aéreos nos ossos da face), as glândulas salivares, o nariz ou o ouvido médio.

Veja neste artigo mais informações sobre essas doenças.

Os Tipos de Câncer de Cabeça e Pescoço

A maioria dos cânceres de cabeça e pescoço começa nas células que revestem a boca, o nariz e a garganta. Estes são chamados de cânceres de células escamosas. Um pequeno número de cânceres de cabeça e pescoço se desenvolve a partir de outros tipos de células.

Os cânceres de cabeça e pescoço incluem câncer de boca e garganta, bem como cânceres mais raros da cavidade nasal (dentro do nariz), seios da face, glândulas salivares e ouvido médio.

As pessoas podem usar a palavra garganta para descrever as diferentes partes do pescoço:

  • Faringe
  • caixa de voz (laringe)
  • glândula tireoide
  • esôfago
  • traqueia

Quando falamos sobre câncer de garganta, nos referimos a faringe e laringe.
Os cânceres de cabeça e pescoço não incluem cânceres que afetam o cérebro.

Câncer de Boca – Tipos de Câncer de Cabeça e Pescoço

O Câncer de boca pode se desenvolver no:

  • lábio
  • língua
  • chão da boca (debaixo da língua)
  • dentro da bochecha
  • céu da boca (o palato duro)
  • área atrás dos dentes do siso

Os locais mais comuns para o desenvolvimento do câncer dentro da boca são no lado da língua e no assoalho da boca.

Câncer de Faringe

A faringe é dividida em três partes principais:

  • Nasofaringe – Esta é a parte superior da faringe, atrás do nariz. Os cânceres que se desenvolvem aqui são chamados de câncer nasofaríngeo.
  • Orofaringe – Esta é a parte média da faringe, atrás da boca. Inclui a parte macia do céu da boca (palato mole), a base ou parte de trás da língua (a parte que você não pode ver), as amígdalas e as paredes laterais da garganta. Os locais mais comuns da orofaringe para o desenvolvimento de câncer são nas amígdalas e na base da língua.
  • Hipofaringe – Esta é a parte inferior da faringe, atrás da caixa de voz. Os cânceres que se desenvolvem aqui são chamados de câncer hipofaríngeo.

Câncer de Laringe – Tipos de Câncer de Cabeça e Pescoço

A laringe é a caixa de voz. É uma passagem curta em frente à hipofaringe (faringe inferior).

Contém as cordas vocais.

Conforme os tumores crescem, eles penetram nas vias aéreas e afetam os músculos da caixa de voz. Esses músculos são de vital importância para proteger a traqueia durante a deglutição de sólidos, líquidos e saliva. Quando interferido, o fechamento da laringe é incompleto e pode levar a tosse intensa, asfixia ou até pneumonia crônica. A estrutura da caixa de voz também fornece suporte rígido para a traqueia para facilitar a respiração. O comprometimento dessa função causa falta de ar, respiração ruidosa e trabalhosa.

Câncer dos Seios da Face

Existem espaços aéreos nos ossos do rosto, ao lado da maçã do rosto e do nariz. Cânceres podem se desenvolver no revestimento desses seios.

Câncer das Glândulas Salivares

Glândulas salivares são responsáveis por produzir a saliva que mantém a boca úmida. Os maiores pares de glândulas salivares são:

  • glândulas parótidas, que estão nas laterais da boca, bem na frente das orelhas
  • glândulas submandibulares, que estão sob cada lado do maxilar
  • glândulas sublinguais, que estão sob o assoalho da boca e abaixo de cada lado da língua.

O local mais comum de desenvolvimento de câncer de glândula salivar é nas glândulas parótidas.

Câncer do Ouvido Médio

O ouvido médio é formado pelo tímpano e por uma cavidade chamada tímpano. O tímpano contém três pequenos ossos – o martelo, a bigorna e o estribo. Esses ossos conectam o tímpano ao ouvido interno.

Geralmente começa como um câncer de pele no ouvido externo que se espalha pelas várias estruturas da orelha, incluindo o canal auditivo e o tímpano.

O câncer de ouvido é extremamente raro. As taxas de sobrevivência variam dependendo da localização do tumor e quanto tempo ele progrediu.

Diferentes fatores causam diferentes tipos de câncer. Embora não exista uma maneira comprovada de prevenir completamente os cânceres de cabeça e pescoço, você pode reduzir seu risco. Converse com sua equipe de saúde para obter mais informações sobre seu risco pessoal de câncer.

Julho Verde

Julho Verde – Saiba Mais sobre o Câncer de Cabeça e Pescoço

No mês de julho (Julho Verde), temos uma importante campanha de prevenção: O Julho Verde, que tem o objetivo de alertar sobre o diagnóstico precoce do câncer de cabeça e pescoço. Vamos aproveitar este momento para divulgar informações importantes a respeito dos sintomas e das medidas preventivas contra a doença. Continue a leitura e saiba mais sobre estas doenças e suas formas de prevenção.

Julho Verde

Segundo levantamento do Inca, o câncer de boca e laringe ocupa o segundo lugar entre os casos nos homens, atrás somente do câncer de próstata, com mais de 18 mil casos diagnosticados anualmente no Brasil. Nas mulheres, predomina o câncer de tireoide, sendo o 5º mais comum.

A grande maioria (mais de 90%) são carcinomas de células escamosas, e a doença geralmente aparece na orofaringe, cavidade oral, hipofaringe ou laringe. O desenvolvimento de um câncer de cabeça e pescoço é o resultado da interação de fatores ambientais e herança genética e, portanto, é multifatorial. O tabagismo e o abuso de álcool são os principais fatores de risco para o desenvolvimento dessa doença.

Sinais e Fatores de Risco

O câncer de cabeça e pescoço pode ocorrer na pele, lábios, tireoide, cavidade oral, nasofaringe, orofaringe, hipofaringe, laringe, cavidade nasal, seios paranasais e glândulas salivares, áreas que estão diretamente envolvidas nas funções de fala, respiração, deglutição, paladar, olfato e outros.

Feridas que não cicatrizam, dificuldade para engolir ou movimentar a língua, nódulos persistentes no pescoço, rouquidão e alterações da voz são sintomas que devem despertar nossa atenção quando observados. Julho Verde.

Um dos fatores que tem contribuído para esse aumento nos casos do câncer de faringe é a infecção pelo papilomavírus (HPV). O contágio acontece por meio da prática do sexo oral e em pessoas com múltiplos parceiros sexuais. Por este motivo, é cada vez mais necessário que a população seja conscientizada sobre a proteção durante as relações sexuais.

Formas de Prevenção

Além desta recomendação, é importante manter hábitos de vida saudáveis e uma boa higiene oral para prevenir a doença. Evitar o consumo de álcool e não fumar também é importantíssimo. Quando esses dois fatores são associados, o risco de uma pessoa saudável desenvolver algum tipo de câncer de cabeça e pescoço é multiplicado em até 20 vezes.

Consultas médicas e odontológicas de rotina também são importantes aliadas na prevenção do câncer de cabeça e pescoço. Fazer o autoexame da boca periodicamente também é uma excelente forma de verificar se está tudo bem, e procurar ajuda médica rapidamente, se necessário.

Como Fazer o Autoexame da Boca

  • Na frente do espelho, observe os lábios e verifique se há manchas ou feridas, vermelhas ou brancas, que não cicatrizam em até 20 a 30 dias.
  • Confira também o céu da boca, as gengivas, as bochechas e a região localizada embaixo da língua.
  • Em seguida, apalpe a região do pescoço e do queixo, para conferir se há presença de caroços ou ínguas.
  • Em caso de dúvida, procure um médico o mais rápido possível. Com o diagnóstico precoce, as chances de cura podem chegar a 90%.

Tratamento

Atualmente, sabe-se que não são apenas fumantes e bebedores que podem desenvolver câncer de cabeça e pescoço, embora ainda tenham grande influência. Existem muitos outros fatores de risco envolvidos no desenvolvimento da doença, por isso é necessário investigar a origem em cada paciente. Assim, a escolha do tratamento deve ser mais específica. A região da cabeça e pescoço é o mais complexo “site de órgãos”, então a decisão de tratamento deve buscar um modelo de melhores práticas de envolvimento da equipe multidisciplinar. A cirurgia é frequentemente necessária, seguida de tratamento de radioterapia ou quimioterapia.

Dúvidas? Marque agora uma Consulta. Clique aqui

Artigo Publicado em: 10 de julho de 2017 e Atualizado em 03 de julho de 2019

Hipertrofia de Adenoide em Adultos

A hipertrofia de adenoide é comum em crianças. O tamanho da adenoide aumenta até a idade de 6 anos, depois se atrofia lentamente e desaparece completamente com a idade de 16 anos. A hipertrofia de adenoide em adultos ainda é rara, mas está aumentando por várias causas.

O presente artigo aborda o aumento da massa adenoideana na nasofaringe, associados ou não à amigdalite crônica, assim como as causas da adenoide aumentada e as diferentes sintomatologias desses casos.

A Hipertrofia de Adenoide em Adultos

Os tecidos esponjosos (a adenoide), localizados entre a região do nariz e a região posterior à garganta, possuem uma tendência de reduzir o seu tamanho, por processos naturais do organismo. Isto acontece quando os indivíduos passam pela fase da adolescência e entram na fase adulta. Contudo, é muito comum que possam ocorrer os casos onde os pacientes adultos persistem a sofrer com esse incômodo.

Causas da Hipertrofia de Adenoide em Adultos

As adenoides são pequenas glândulas que começam a se formar ainda no período da gestação, enquanto o bebê está sendo formado na barriga, e o trabalho principal das mesmas no organismo é conseguir combater e prevenir a instalação de uma série de doenças no organismo, como as infecções, ou seja, elas possuem a mesma função que as amígdalas.

Por esse motivo, é extremamente comum que a hipertrofia de adenoide seja encontrada em pacientes com menor idade, fazendo com que eles possam ser mais afetados pelas infecções, e também de acordo com o fato de que as glândulas irão, geralmente, desaparecer conforme os mesmos avançarem para a idade adulta.

Nos casos em que as adenoides não são eliminadas do organismo, desaparecendo, elas podem também apresentar inflamações na vida adulta. Os sinais desse processo podem se dar em doenças do trato respiratório, infecções e diversos tipos de inflamações, e, um dos mais comuns, a apneia do sono.

As principais causas da disfunção de hipertrofia da adenoide em adultos se concentram nos fatores seguintes:

  • Disfunções do sistema de controle hormonal;
  • Obesidade e/ou sobrepeso;
  • Disfunções do sistema endócrino em adultos;
  • Tendências e heranças genéticas que influenciam na ocorrência do problema.

Hipertrofia de Adenoide em Adultos – Diagnóstico

Há uma série de procedimentos que podem ser realizados mediante ao acompanhamento com um profissional otorrinolaringologista especializado que possa indicar tanto os procedimentos para amenização dos sintomas, quanto para um tratamento mais intensivo.

Para os pacientes que apresentam alguns sintomas como a coriza, a dificuldade de respiração – principalmente no período noturno – e distúrbios do sono como a apneia, que é um dos principais sintomas que pode indicar a presença da doença em indivíduos adultos, e que é muito perigosa para a saúde, pois pode ocasionar problemas diversos devido à diminuição da qualidade do sono, o principal método de ação a partir da identificação dos sintomas é procurar a orientação de um médico especializado.

Por meio das consultas com o médico, é possível realizar exames que irão comprovar a ocorrência da hipertrofia de adenoide em adultos – o exame que geralmente é realizado nos casos de suspeita da doença é a rinoscopia, em que uma ferramenta específica localiza as glândulas da adenoide e identifica se elas estão inflamadas.

Hipertrofia de Adenoide em Adultos – Tratamento

A parte do diagnóstico para os adultos é extremamente importante, porque fará com que todos os sintomas e os prejuízos à saúde possam ser identificados de acordo com a sua relação com as glândulas inflamadas. A partir do mesmo, o tratamento a ser realizado poderá ocorrer de várias formas.

O curso de tratamento escolhido pelo profissional irá depender tanto do nível da inflamação presente nas glândulas de adenoide, quanto da necessidade de intervenção cirúrgica que pode se estabelecer de acordo com a extensão da mesma.

O método mais tradicional de tratamento para a hipertrofia de adenoide em adultos envolve a utilização de medicamentos de ação antibiótica, aliados também ao uso de medicamentos corticoides, que, de acordo com as orientações corretas do médico, podem surtir efeitos muito satisfatórios para os indivíduos que sofrem com as inflamações.

Alguns tipos de tratamentos naturais, para os indivíduos que preferirem evitar a utilização de medicamentos fortes como os citados acima, também podem ser eficazes, e é importante lembrar que o uso de soro fisiológico pode ser um ótimo método de manutenção para que o nariz possa se manter saudável e livre de infecções.

O processo de diagnóstico realizado com acompanhamento médico é muito importante, pois ele poderá identificar os casos de hipertrofia de adenoide em adultos que apresentam inflamações em graus mais elevados, fazendo com que seja necessário a retirada das glândulas por meio de procedimentos cirúrgicos, que fazem a raspagem das mesmas – a cirurgia é conhecida como adenoidectomia.

Para os pacientes que precisarem se submeter à cirurgia, não é preciso alarmar-se, pois o procedimento é completamente seguro, sendo realizado de forma rápida, e a recuperação tem um período de no máximo duas semanas.

Hipertrofia de Adenoide? Marque uma consulta e deixe-nos ajudar.

Artigo Publicado em: 10 de janeiro de 2018 e Atualizado em 03 de abril de 2019

cirurgia para apneia do sono

Nova Técnica de Cirurgia para Apneia do Sono

No Congresso Mundial de ORL da IFOS (Federação internacional da Sociedade de Otorrinolaringologia), realizado no período de 24 a 28 de junho de 2017 em Paris, o Dr. José Antonio Pinto ministrou uma palestra, onde apresentou a técnica de Faringoplastia Lateral-expansiva. Neste artigo, saiba mais sobre esta nova técnica de cirurgia para apneia do sono.

A Faringoplastia Lateral-expansiva é uma técnica cirúrgica que combina dois procedimentos: a Faringoplastia Lateral e a de Expansão, para remodelar a faringe estreita. Esta abordagem cirúrgica modifica as funções dos músculos da garganta, diminuindo o colapso das vias aéreas superiores.

Desenvolvimento da Técnica de Faringoplastia Lateral-expansiva

Foi realizado um estudo de coorte retrospectivo, avaliado pelo Comitê de Ética e Investigação do Centro Universitário de Hospital Privado na cidade de São Paulo..

Foram revisados registros médicos de pacientes submetidos a Faringoplastia de Expansão Lateral entre janeiro de 2012 e dezembro de 2016, para tratamento de sintomas da Síndrome da Apneia do Sono. Entre os critérios de exclusão estavam a presença de deformidade craniofacial e obstrução de base da língua.

A Nova Técnica Cirúrgica para Apneia do Sono Apresentada no IFOS 2017

Aspecto Inicial

Faringoplastia de Expansão Lateral

Elevação e Secção do Músculo Constritor da Faringe Superior

Faringoplastia de Expansão Lateral

Secção do Músculo Palatofaríngeo

Faringoplastia de Expansão Lateral

Fixação do Músculo Palatofaríngeo, Através do Túnel Palatino

Faringoplastia de Expansão Lateral

Aspecto Final

Faringoplastia de Expansão Lateral

Resultados dos Procedimentos

A associação de ambas as técnicas fornece uma melhor expansão das paredes faríngeas, para tratar a obstrução retropalatal e lateral. Veja os níveis de redução do índice de apneia-hipopneia:

Faringoplastia de Expansão Lateral

Como efeito secundário, foi observado disfagia transitória.

A faringoplastia de expansão lateral representa uma nova estratégia cirúrgica para o tratamento de diminuição do colapso palatal, combinando duas técnicas diferentes já difundidas mundialmente: Faringoplastia Lateral e de Expansão.

O uso destas técnicas em um procedimento único proporciona uma melhora objetiva no sono e na saúde do paciente.

Referências

Cahali MB. Lateral pharyngoplasty: a new treatment for obstructive sleep apnea hypopnea syndrome. Laryngoscope 2003;113:1961–1968

Pang KP, Tucker Woodson B. Expansion sphincter pharyngoplasty: a new technique for the treatment of obstructive sleep apnea. Otolaryngol Head Neck Surg 2007;137:110–114

Sorrenti G, Piccin O.Functional expansion pharyngoplasty in the treatment of obstructive sleep apnea. Laryngoscope. 2013; 123:2905-2908

Política de Privacidade/Cookie. Este site não hospeda ou recebe financiamento de publicidade ou exibição de conteúdo comercial. Política de Banners: Não temos publicidade e não fazemos trocas de Banner ou Display. Missão Do Site: prover Soluções cada vez mais completas de forma facilitada para a gestão da saúde e o bem-estar das pessoas, com excelência, humanidade e sustentabilidade.Todos os utilizadores da plataforma se comprometem a divulgar apenas informações verdadeiras. Caso o comentário não trate de uma experiência pessoal, forneça referências(links) sobre qualquer informação médica à ser publicada. Os comentários são visíveis a todos. Podem ser alterados ou apagados.